Skip to main content

Algo que sei da Ditadura

Ano passado, contei uma história do meu tempo de escola para minha filha, uma agressão sofrida por mim e cometida por um colega. Uma agressão que ninguém testemunhou. Ela logo me perguntou: - Por que não foi na Coordenadora?  Não soube responder imediatamente. Fiquei pensando... 

Na escola das minhas filhas, a coordenação é um espaço aberto, as crianças entram em grupos ou sozinhas, questionam injustiças, demandam soluções.  Entendi, ali, mais um pouco de como o período da ditadura, que eu vivi como criança  e adolescente, influenciou minha formação. A escola não era, na Ditadura, um lugar  para pensar, era um lugar para se informar, talvez, mas não para pensar. Não era um lugar para questionar. A Ditadura não permite questionamentos.

A Coordenação, no tempo da ditadura, não era um espaço acolhedor para os alunos. Era um espaço de punição. Você era mandado à coordenação se cometessse algum delito. Se o delito fosse muito grave, seus pais também eram chamados. Expliquei para minha filha que no meu tempo a gente não tinha espaço para questionar coisas com a coordenação, e,  ainda bem, que ela achou aquilo tudo muito estranho! 

Olhando para trás, vejo que tive sorte de ter pais que me educaram para a crítica e o questionamento, que me incentivaram a conhecer História, a explorar a Literatura, indo além do oficial e recomendado. Ensinaram-me que é preciso ler nas entrelinhas, buscando não só o que está exposto, mas o avesso do bordado.  Percebo, no entanto,  que a escola da época, reflexo da opressão da ditadura, tolhiu muito do meu potencial criador. Aulas de artes, poucas, que indicavam como fazer, em que estilo pintar, escrita que seguia fórmulas, música e leituras limitadas, a impossibilidade do exercício criador... Tive que descobrir meu caminho só e apesar desse sistema que me formou. 

Meus pais fizeram muito para que eu pudesse viver criticamente, para que eu avançasse de modo independente. Dei sorte! Mas eles também foram limitados por esse período, em que viveram como jovens e como pais. Eles tiveram suas perdas, seus temores, suas vozes abafadas, suas liberdades cerceadas. 

Hoje, vejo que levei muito tempo para compreender e acreditar que criar era possível e que era um direito meu. Há poucos anos, consegui permitir que a minha criatividade alçasse vôos. Desejo vôos mais altos para minhas filhas e seus amigos e sei que a Ditadura não permite vôos. A Ditadura corta asas! Ditadura, nunca mais! 

Comments

Popular posts from this blog

All the faces I've loved

All the faces of men I've loved visit me in the quiet night of my noisy brain All the ones I once loved and came to hate or forget or pretend to have forgotten Lost in the cloud of indifference  I've carefully created
All of them come back  filling the emptiness  of my broken beaten banal heart In this quiet night of my crowded noisy brain
They march firmly towards me
stop and stare Inches away and shoot their questions right between my shortsighted eyes Why? Why not? How much? How little?
They give me no time to answer
They move and vanish like ghosts of the Christmas past Some fierce and revengeful  pass on the judgement they've held in long
You! They shout Too bold! Too coward! Too hot! Too cold! Too little! Too much!
I try to touch a face or another
I remember them Especially the ones I've hidden so well from myself "Hey, look at you!

Quando

Quando se é a sombra de uma estrela esparramada sobre o mapa-múndi, cruzando terra e água, longe e perto de sua própria constelação. Quando se está aqui e lá, quando se tem tudo e sempre se quer mais. Quando vão-se os anéis e ficam os dedos e é possível ser "um sem deixar de ser plural". Quando se "vê a linha fina que separa aqui e ali" e, ao vê-la, não se contenta enquanto não a cruza. Quando se quer estar lá e cá e se quer amar, amar, amar.



Menino Guerrilheiro

Arrumando o pequeno escritório, jogando coisas fora, abrindo espaço para iniciar a rotina de trabalho, encontrou os recortes de jornal: "Faleceu sábado de ataque cardíaco fulminante" dizia um deles. Os outros repetiam a história do ataque cardíaco, mas ela sabia, desde aquela época que essa não era a verdade. Líder estudantil do seu tempo foi  expulso da Universidade por ter opinião. Perseguido na cidade, viu roubarem os seus sonhos e resistiu. Seguiu para a Guerrilha do Araguaia, lá foi preso, torturado. Quando ela era criança, não se falava disso. Já adolescente, com a abertura, quando estudava história, ele era mencionado, junto a alguns outros amigos da família "Ele fez parte da Guerrilha. Foi preso, torturado. Até hoje passa por uns períodos de depressão." Nada mais. Toda uma geração traumatizada, não conseguiam muito falar do assunto. Tudo muito recente, talvez. O medo ainda uma sombra, logo ali, a espreitar. Ela imaginava um homem adulto, barbado, preso por…