Skip to main content

Furacão

Uma vez, sonhei que morria. Uma convulsão, a reprise de outra situação. Dessa vez, não conseguia voltar, me chamavam, como antes havia acontecido, mas eu não conseguia abrir os olhos.  Demorei a acordar e acreditar que não estava morta. Também não estava no hospital. Não havia tubos, aparelhos, máscaras de oxigênio, catéter, sonda... Chorei em silêncio. 

Schopenhauer disse que vivemos com leveza porque escalamos uma montanha sem saber o que encontraremos do outro lado, mas se enfrentarmos a morte e escaparmos dela, jamais subiremos a montanha do mesmo jeito. Lembro isso, não para causar pena, para que me olhem com os grandes olhos da piedade. Lembro porque é isso mesmo. Não se sobe a montanha da mesma maneira.

Houve um tempo que não queria mesmo subir para lugar algum. Na verdade, se pudesse teria rolado montanha abaixo, mas não rolei. Havia a promessa: "Não vou deixar você só! Não se preocupe!" Acho que foi a promessa, mas não gosto de atribuir tanta nobreza ao meu ser. Houve um tempo em que pensei: "Maldita promessa! Não há porque continuar!" Permaneci então sentada na montanha, parada, encolhida. Hoje penso na montanha. A grandiosa montanha não tinha mesmo, àquela época, a menor graça.

Outra imagem constante era a de um furacão. Passei muito tempo no olho do furacão, vendo tudo pelos ares, estilhaçando-se, sentindo-me também arrebentar, partir em pedacinhos. Tragada pelo furacão, tudo rodava, cacos e destroços rodavam; eu,  aos pedaços, rodava.

Fui juntando os pedacinhos, mas o furacão continuava. A diferença é que, depois de um tempo, galguei suas tão reais imaginárias paredes e fiquei ali, mal remendada, sentada na borda, vendo os destroços a girar e girar. Assim permaneci. Entendo os que tiveram dificuldades de olhar para aquele furacão, mas não aqueles que fugiram. Desses, já tive muita mágoa. Hoje tenho muita pena. Admiro imensamente, no entanto, os que ficaram por perto e esses seguem comigo. 

O que pude, recuperei, colei, remontei. O que não tinha mais jeito, aos poucos, fui deixando seguir no furacão. Criei outras novas estruturas, diferentes, outros sonhos, outros ideais. Quem não estava lá, quem depois não me buscou, não sabe quem eu sou, não me conhece mais.

Ouvi inúmeras coisas, muitos absurdos, que a tragédia me faria melhor; que Deus tinha um propósito, que eu o veria lá na frente; que eu aprenderia com isso e poderia servir de instrumento na vida dos outros; comentários ingênuos, bem intencionados, mas também cruéis. Sempre tive vontade de perguntar a essas pessoas tão pias por que não pediam todos os dias por algo semelhante na vida delas. Tão bom ser instrumento, não? Outras criaturas contavam casos semelhantes, suas próprias vivências, terminando a conversa da seguinte maneira: - Mas Deus foi bom pra mim! 

Uma vez, uma moça me disse, condoída: “Poxa, como isso foi acontecer...” E depois de um tempo em silêncio: “Mas vocês são tão legais...” Ela ficou em silêncio, procurando, buscando o que poderia ter de errado, ou de ruim,  comigo, com meu marido, para que uma tragédia daquelas tivesse acontecido. Na sua lógica, estávamos sendo punidos por algo e, por isso, Deus não tinha sido bom para nós. Hoje tenho mais paciência com essas conversas e pessoas, sei que a intenção, irrefletida, pode ser boa, mas isso é, certamente,  por que não estou mais no olho do furacão. Só por isso!

Lembro que algo que de fato me ajudou foi uma frase em um livro budista que dizia simplesmente: "O sofrimento faz parte da vida." Acredito realmente que aprendi algumas coisas, mas não sou agradecida à tragédia que me sucedeu. Poderia tranquilamente viver sem todo esse aprendizado, em uma feliz ignorância. Egoisticamente, não me incomodaria de tê-lo visto dividido com umas vinte outras pessoas, para que minha dose fosse menor. Poderia, perfeitamente, continuar acreditando na enormidade dos pequenos problemas. No entanto, não me foi dada essa alternativa.

Entendi minhas opções, então, da seguinte maneira, sem nenhuma transcendência, ou beleza espiritual, na dor. Uma vez no fundo do poço, na merda, a pessoa tem duas possibilidades: Ou se ergue, e sai de lá, ou chafurda na bosta para todo o sempre, amém! Com imensa dificuldade e grande esforço, apoiada por quem me ama, apesar de tudo, e me agarrando a recursos antigos e novos, fui saindo, fui me erguendo e fui vivendo; buscando vida, luz, beleza, alegria. 

Hoje, contemplo meu furacão à distância, observo o seu movimento, a sua sombra. Esquecer a sombra, significaria fechar os olhos aos que sofrem todos os dias, aos que partem, aos que ficam e choram. Não desejo isso para mim! Também não quero para os outros o sofrimento na solidão. Não há maior escuridão do que sofrer na solidão.

Comments

  1. Sinto isto qdo em inumeras vezes estava mal, e uma, duas, trés, quatro mãos e patas me ajudaram, a sair da solidão e meajudar a subir a montanha...Hoje a montanha não possue tantas flores como antes, as flores que não estam mais lá, agora se encontram no jardim de Deus.

    ReplyDelete
    Replies
    1. É bom encontrarmos eco para os nossos sentimentos, não é mesmo?

      Delete
    2. Bom saber que você não está sozinho

      Delete
  2. A dor compartilhada não diminui, mas fica mais suportável... Sinta-se acarinhada!

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular posts from this blog

Maio, 2017 - Fim de tarde em Brasília

Um burburinho de barzinho no fim de tarde. Tudo parece igual. Amigos se encontram no Café, grupos ocupam as mesas maiores. Adoram sentar-se ao lado de quem lê um livro, de quem está só. Desconfiam dessa solidão e afrontam-na.Alguém solta uma gargalhada alta.Tudo normal, tudo como antes.
A música contorna as conversas e risadas: “Cai o rei de espadas, cai o rei de ouro, cai o rei de paus, cai não fica nada…” Nada é, na verdade, como antes, como o dia de ontem. Hoje, o ar que se respira é grosso, agressivo e sufocante. Nada, abaixo da epiderme do mundo está igual. A brisa leve não engana. Refresca o corpo, mas a alma treme.
Agora, toca Roda-Viva. “Como pode? Ontem mesmo era ano 2000.” Quando o golpe se deu e as ideias estapafúrdias começaram a surgir com projetos que tinham o nome de músicas da minha infância, regravações dos anos 80 começaram a entupir os programas de rádio. Hoje, Elis e Chico ressurgem nesse Café, fazendo o sentido que já não faziam há tantos anos. Apertam o meu pe…

Recém casados

Recém-casados, um apartamento de dois quartos para um casal. Parecia muito, a princípio, um privilégio. Não tinham filhos. Tem gente que mora em um quarto e sala com oito meninos. Dormem uns por cima dos outros, amontoados, redes por cima de redes. Eles tinham um escritório. Olha o luxo! E uma cozinha americana!

O problema é que para onde ela se virava, lá estava ele, um sorriso nos lábios e aquele olhar tranquilo. E tudo que ela pensava era: "Meu Deus, agora para onde eu me virar vou dar de cara com ele? Ganhei essa sombra! Aff!" Disfarçava, sorria de volta, um sorriso daqueles que não mostram os dentes, só empurram as bochechas para os lados. Até que acordou um dia e foi escovar os dentes, a pasta de dentes apertada no meio.  Deu um grito. Ele correu para a porta solícito. Era demais! O rosto queimando, berrou: "Olha, assim não dá! Eu preciso do meu espaço!" 
Saiu marchando, bateu a porta, andou uns 20 minutos em volta do quarteirão. Quando a respiração voltava ao…

Lembranças, mudanças e rumos

Uma amiga me diz que nos anos setenta, houve uma infestação de ratos em Brasília e que eles saiam pelo ralo do bidê  e entravam nos apartamentos da Asa Norte. Ela pergunta se eu não me lembro. Não lembro. "Mesmo? Não lembra?" Não lembro.

Não lembro da infestação, não lembro de comentários, notícias. Respondo que era muito pequena, mas ela é mais nova que eu. Sorrio sem graça, sem mostrar os dentes: "É, não lembro." O que lembro é de sempre ter tido medo de ratos, mais do que de baratas. E de sempre sonhar com eles em tempos de angústia, preocupação. Uma vez vi um video de um churrasco na casa dos meus país em que tento alertar minha mãe da passagem de um rato e ela me ignora. De certo não queria chamar a atenção dos convidados para a presença do animal asqueroso que corria no canto da cerca. Não queria interromper sua cantoria e seu ensolarado dia de domingo e, por isso, ignorou completamente a fala da criança inconveniente.

Uma amiga me contou também  que já se ol…