Skip to main content

Tudo e Nada

É, me acostumei com o cheiro forte do verniz. O verniz seca, agora, a nadadora em giz pastel, antes que borre, que apague, que desapareça.  A gente se acostuma com tudo. Ainda mais quando é coisa assim, forte, que aumenta a permanência. Você cresce, envelhece, e nada é permanente. Nada! Quanto mais o tempo passa, mais tudo é nada, mais tudo é fluido e fugaz. E você desiste de domar a vida, e você aceita que não sabe tudo, que não sabe nada. E lê muito, e escreve tratados. E mergulha fundo, em tudo, e não sabe. Não sabe nada!

Você caminha, alternando o caminhar: passos firmes, decididos, olhar altivo; passos lentos, cabeça baixa, procurando, procurando, sem nunca encontrar. Tudo e nada! Tudo é tudo e nada! Leve como uma bigorna. É tudo o que é!  Sempre! Nada!

E assim você vai, mergulhando, fundo e longe. Vai em apneia! Vai até não aguentar mais. E sobe, de uma vez, à superfície, onde não se vê a margem, onde não dá pé. É lá que você para. Para e enche o pulmão de ar, de uma só vez. Porque é preciso! É preciso encher o pulmão de ar! E de uma vez!  Então exausta, sorrindo, você flutua e contempla o céu. Tudo e nada... É o que é.

Flutua e permanece ali, pesada como uma bolha de sabão. Voa mais longe, recostada em seu lençol de água. Linha fina, entre a densa e verde massa aquática e o infinito azul do céu. Azul, muito azul, do seco céu! Ele lhe contempla em retorno, deitada, inerte, exceto pelo movimento do ventre, que se estende e contrai, lento, o ar pelas narinas, o caminho natural da existência. O fino lençol lhe sustenta e você voa.Tapete mágico!

Você voa e esquece. Esquece tudo! O nada que pesa, o tudo que não há, o que é excesso, sobra, e o que falta. E sempre falta! Menos agora! Agora é a fina linha tênue e o equilibrar-se entre tudo e nada. Equilibrar-se, efêmero momento, entre a água e o céu. A terra lá embaixo, longe... Astronauta. Como astronauta, flutua.

Um movimento. Sempre há um movimento. É inesperado, é brusco! E você engole água, muita água, e engasga e tosse. Engole e tosse, tudo! E não há nada, nada que possa lhe salvar dessa água. Até que você se conforme e espere a água se acalmar. E você espera... E respira. E olha em torno. E resolve voltar, retornar.

Você retorna à margem e contempla água e céu. Da terra firme você contempla tudo o que não é de fato seu. Nem seu, nem de ninguém! Tudo o que é demais, tudo o que não controla, não domina. Contempla tudo aquilo que lhe chama sempre em tom ambíguo, que lhe convida, instiga, provoca. Contempla esse tudo e nada em que fundo mergulha. Esse tudo e nada, de onde nunca sabe se vai mesmo voltar.

Comments

  1. Amiga, que lindo. Nunca me esqueço: o nada é o vazio que resta (História Sem Fim). Mas não o nada de nadar. Ai, tudo é muito confuso ;)

    ReplyDelete
    Replies
    1. É isso mesmo, Vi! Tudo muito misturado. :)

      Delete

Post a Comment

Popular posts from this blog

All the faces I've loved

All the faces of men I've loved visit me in the quiet night of my noisy brain All the ones I once loved and came to hate or forget or pretend to have forgotten Lost in the cloud of indifference  I've carefully created
All of them come back  filling the emptiness  of my broken beaten banal heart In this quiet night of my crowded noisy brain
They march firmly towards me
stop and stare Inches away and shoot their questions right between my shortsighted eyes Why? Why not? How much? How little?
They give me no time to answer
They move and vanish like ghosts of the Christmas past Some fierce and revengeful  pass on the judgement they've held in long
You! They shout Too bold! Too coward! Too hot! Too cold! Too little! Too much!
I try to touch a face or another
I remember them Especially the ones I've hidden so well from myself "Hey, look at you!

Quando

Quando se é a sombra de uma estrela esparramada sobre o mapa-múndi, cruzando terra e água, longe e perto de sua própria constelação. Quando se está aqui e lá, quando se tem tudo e sempre se quer mais. Quando vão-se os anéis e ficam os dedos e é possível ser "um sem deixar de ser plural". Quando se "vê a linha fina que separa aqui e ali" e, ao vê-la, não se contenta enquanto não a cruza. Quando se quer estar lá e cá e se quer amar, amar, amar.



Menino Guerrilheiro

Arrumando o pequeno escritório, jogando coisas fora, abrindo espaço para iniciar a rotina de trabalho, encontrou os recortes de jornal: "Faleceu sábado de ataque cardíaco fulminante" dizia um deles. Os outros repetiam a história do ataque cardíaco, mas ela sabia, desde aquela época que essa não era a verdade. Líder estudantil do seu tempo foi  expulso da Universidade por ter opinião. Perseguido na cidade, viu roubarem os seus sonhos e resistiu. Seguiu para a Guerrilha do Araguaia, lá foi preso, torturado. Quando ela era criança, não se falava disso. Já adolescente, com a abertura, quando estudava história, ele era mencionado, junto a alguns outros amigos da família "Ele fez parte da Guerrilha. Foi preso, torturado. Até hoje passa por uns períodos de depressão." Nada mais. Toda uma geração traumatizada, não conseguiam muito falar do assunto. Tudo muito recente, talvez. O medo ainda uma sombra, logo ali, a espreitar. Ela imaginava um homem adulto, barbado, preso por…