Skip to main content

Avengers, Bad Guys, Hypocrites and Oscar Wilde

I got to the office and opened the Facebook page. "I'll just check out the news and move on to my reading. "Just a few minutes won't hurt!" That's what I told myself! An hour later, here I am dealing with the effects of it, pouring them into words so I'll be able to breathe a little better. "Who was I fooling?  Why do I tell myself such lies?"

 I read the news and made the repetitive mistake of reading the comments, the same obnoxious comments, many of them the acritical repetition of  the midia discourse, many ignorant, paranoid and delusional interpretations of history. "Man, life is hard!" One picture of a guy, in black, wearing a skeleton mask, on top of a motorcycle, a dead dark body, no shirt on,  covered in blood and the headlines explaining: "Skeleton masked man kills bandits in Teresina and gets popular support" "What a world!" The shock just grew bigger when I read the post that followed it: "I wish this guy would come to my hometown and get rid of the bad guys here!" Here was the place I live too. I thought of my kids walking down the street and witnessing the "justicing" of "bad guys" by the masked man.  I shivered. My stomach turned. "Horrible times!"

The bad guys... Who are the bad guys? How old is this person who talks about the bad guys? Four? Who does she think are the bad guys? The bad guys, for her, are the poor robbers, the petty drug dealers, the ones that stand on her way to her upscale fun parties. The ones with no education, no rights, cast aside since children and coopted by the gangs and their school of crimes. Interestingly, the bad guys do not include the Politician this person, who dreams of  cleaning her hometown of the bad guys, worked to elect for an important position in our Congress. A politician that with her aid has been trumping the democratic institutions, using questionable mechanisms to bend the country's constitution and putting our young democracy constantly at risk. A politician that has forgiven millions in taxes owed by fraudulent religious leaders, leaders belonging to the same religion as his.

"Well, money in the pocket, who gives a shit about democracy anyway? Right? Difficult times!" I wonder what is the scope of bad people of the man with the Skeleton mask, I wonder why she thinks it coincides with hers. I wonder how someone gets to be the kind of person that allies herself with a psychopath and is proud of it. I wonder if given information, he, the masked man, would still be aiming his weapons to the petty thieves and drug dealers.

I don't believe in shooting around people. "You may say I'm a dreamer", but it is against my nature. I'm no saint, of course, and my writer's mind takes my kind of revenge  on thinking of the surprise avengers and hypocrites will have when they walk down their basements, open their secret rooms and uncover their portraits. I imagine their shock when they finally see their souls, the deep marks on their faces, their evil gaze, their sordid expressions, the indelible records of their acts, their feelings. Will they scream when they find out who the real bad guys are?

Comments

  1. Gostei muito do texto. Tremo todas as vezes em que leio: "Fulano deveria estar morto!" Que energia é essa? E adorei o parágrafo final: o Retrato de Dorian Gray é um dos meus livros prediletos!

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular posts from this blog

Maio, 2017 - Fim de tarde em Brasília

Um burburinho de barzinho no fim de tarde. Tudo parece igual. Amigos se encontram no Café, grupos ocupam as mesas maiores. Adoram sentar-se ao lado de quem lê um livro, de quem está só. Desconfiam dessa solidão e afrontam-na.Alguém solta uma gargalhada alta.Tudo normal, tudo como antes.
A música contorna as conversas e risadas: “Cai o rei de espadas, cai o rei de ouro, cai o rei de paus, cai não fica nada…” Nada é, na verdade, como antes, como o dia de ontem. Hoje, o ar que se respira é grosso, agressivo e sufocante. Nada, abaixo da epiderme do mundo está igual. A brisa leve não engana. Refresca o corpo, mas a alma treme.
Agora, toca Roda-Viva. “Como pode? Ontem mesmo era ano 2000.” Quando o golpe se deu e as ideias estapafúrdias começaram a surgir com projetos que tinham o nome de músicas da minha infância, regravações dos anos 80 começaram a entupir os programas de rádio. Hoje, Elis e Chico ressurgem nesse Café, fazendo o sentido que já não faziam há tantos anos. Apertam o meu pe…

Recém casados

Recém-casados, um apartamento de dois quartos para um casal. Parecia muito, a princípio, um privilégio. Não tinham filhos. Tem gente que mora em um quarto e sala com oito meninos. Dormem uns por cima dos outros, amontoados, redes por cima de redes. Eles tinham um escritório. Olha o luxo! E uma cozinha americana!

O problema é que para onde ela se virava, lá estava ele, um sorriso nos lábios e aquele olhar tranquilo. E tudo que ela pensava era: "Meu Deus, agora para onde eu me virar vou dar de cara com ele? Ganhei essa sombra! Aff!" Disfarçava, sorria de volta, um sorriso daqueles que não mostram os dentes, só empurram as bochechas para os lados. Até que acordou um dia e foi escovar os dentes, a pasta de dentes apertada no meio.  Deu um grito. Ele correu para a porta solícito. Era demais! O rosto queimando, berrou: "Olha, assim não dá! Eu preciso do meu espaço!" 
Saiu marchando, bateu a porta, andou uns 20 minutos em volta do quarteirão. Quando a respiração voltava ao…

Lembranças, mudanças e rumos

Uma amiga me diz que nos anos setenta, houve uma infestação de ratos em Brasília e que eles saiam pelo ralo do bidê  e entravam nos apartamentos da Asa Norte. Ela pergunta se eu não me lembro. Não lembro. "Mesmo? Não lembra?" Não lembro.

Não lembro da infestação, não lembro de comentários, notícias. Respondo que era muito pequena, mas ela é mais nova que eu. Sorrio sem graça, sem mostrar os dentes: "É, não lembro." O que lembro é de sempre ter tido medo de ratos, mais do que de baratas. E de sempre sonhar com eles em tempos de angústia, preocupação. Uma vez vi um video de um churrasco na casa dos meus país em que tento alertar minha mãe da passagem de um rato e ela me ignora. De certo não queria chamar a atenção dos convidados para a presença do animal asqueroso que corria no canto da cerca. Não queria interromper sua cantoria e seu ensolarado dia de domingo e, por isso, ignorou completamente a fala da criança inconveniente.

Uma amiga me contou também  que já se ol…