Skip to main content

Para meus amigos


Sempre que chove, penso em um amigo. Quando raspo uma lata de leite condensado, lembro-me de outro. Se recebo uma medalha, outro a recebe comigo. Camisetas de feira, alpargatas de lona, sorrisos tímidos lembram-me do único que me deixou tão cedo. Choro sempre sua ausência, sua perda. Celebro sempre sua presença!

Uma amiga já chorou comigo o choro mais sentido de todas as perdas. Outra já me fez rir no pior momento da minha vida, trazendo alguma luz à escuridão. Outra ainda, riu comigo o meu e o seu pesar. Caminhamos de mãos dadas, rindo do que mais ninguém conhece, do que mais ninguém entende, do que mais ninguém ri. 

Uma amiga fica braba e promete vingança se alguém me maltrata. Um amigo sonha comigo e me liga preocupado. Uma amiga é solar, ri com alegria e me faz mais leve. Um amigo pega no meu pé e inventa histórias para me enrolar, se divertir, me fazer rir.

Uma amiga está sempre ali.  Lembra de mim, reclama a minha ausência. Diz-me do meu valor, lembra da minha importância. Um amigo  diz que eu posso mais, que vou conseguir.  Empurra-me para frente e não duvida de mim. Uma amiga puxa a minha orelha e manda soltar o freio de mão.

Um amigo avisa que lê todos os meus rabiscos e enfatiza: "Todos!" Uma amiga manda em mensagens profundas reflexões sobre esses mesmos rabiscos. Uma amiga mora longe, mas levo no coração. Uma amiga me compra galochas londrinas, um amigo as traz para mim. Uma amiga está ali desde sempre e sabe, em rápido olhar, que chorei. Um amigo me vê e diz "estive pensando em você". Um amigo aguenta todos os meus maus dias e ainda sorri para mim. 

Pensando, hoje, nos meus amigos lembrei do que disse Vinícius: "Eu poderia suportar, não sem dor que morressem todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos." Vinícius parecia separar bem amigos e amores. Não sou assim. Para mim a coisa se complica. Alguns amores são sim amigos queridos e todos os meus amigos são meus mais profundos amores. 

 Assemelho-me  ao poetinha mais quando diz: "Se um deles morrer eu fico torto para um lado". Eu, já torta, aqui estou. "Se todos eles morrerem eu desabo!" Se todos morrerem não restará nada em mim. Sou um pouquinho do que me trazem, do que me dão, cada um deles. Decreto aqui, portanto, uma proibição: Que não se vá mais nenhum! Que fiquemos todos velhinhos e juntinhos. Que sejamos, se possível, "um só defunto", meus amigos, meus amores! 





Comments

  1. que lindo texto de uma amiga que escreve coisas lindas

    ReplyDelete
    Replies
    1. Valorizo muito o feedback de uma leitora como você, Claudia! Que honra!

      Delete
  2. Sei exatamente o que é isso. Me sinto da mesma forma! Beijo!

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular posts from this blog

All the faces I've loved

All the faces of men I've loved visit me in the quiet night of my noisy brain All the ones I once loved and came to hate or forget or pretend to have forgotten Lost in the cloud of indifference  I've carefully created
All of them come back  filling the emptiness  of my broken beaten banal heart In this quiet night of my crowded noisy brain
They march firmly towards me
stop and stare Inches away and shoot their questions right between my shortsighted eyes Why? Why not? How much? How little?
They give me no time to answer
They move and vanish like ghosts of the Christmas past Some fierce and revengeful  pass on the judgement they've held in long
You! They shout Too bold! Too coward! Too hot! Too cold! Too little! Too much!
I try to touch a face or another
I remember them Especially the ones I've hidden so well from myself "Hey, look at you!

Quando

Quando se é a sombra de uma estrela esparramada sobre o mapa-múndi, cruzando terra e água, longe e perto de sua própria constelação. Quando se está aqui e lá, quando se tem tudo e sempre se quer mais. Quando vão-se os anéis e ficam os dedos e é possível ser "um sem deixar de ser plural". Quando se "vê a linha fina que separa aqui e ali" e, ao vê-la, não se contenta enquanto não a cruza. Quando se quer estar lá e cá e se quer amar, amar, amar.



Menino Guerrilheiro

Arrumando o pequeno escritório, jogando coisas fora, abrindo espaço para iniciar a rotina de trabalho, encontrou os recortes de jornal: "Faleceu sábado de ataque cardíaco fulminante" dizia um deles. Os outros repetiam a história do ataque cardíaco, mas ela sabia, desde aquela época que essa não era a verdade. Líder estudantil do seu tempo foi  expulso da Universidade por ter opinião. Perseguido na cidade, viu roubarem os seus sonhos e resistiu. Seguiu para a Guerrilha do Araguaia, lá foi preso, torturado. Quando ela era criança, não se falava disso. Já adolescente, com a abertura, quando estudava história, ele era mencionado, junto a alguns outros amigos da família "Ele fez parte da Guerrilha. Foi preso, torturado. Até hoje passa por uns períodos de depressão." Nada mais. Toda uma geração traumatizada, não conseguiam muito falar do assunto. Tudo muito recente, talvez. O medo ainda uma sombra, logo ali, a espreitar. Ela imaginava um homem adulto, barbado, preso por…