Skip to main content

A Princesa e O Ogro


Era uma vez, há muito tempo, um reino que era sempre quente e ensolarado. Nesse reino, vivia uma princesa que não era apenas bonita, mas também muito inteligente. No mesmo reino, vivia um ogro. Ele morava, como muitos outros ogros, trolls e outras estranhas criaturas de contos de fadas, em uma caverna. Da sua caverna, ele vigiava uma ponte. De um lado da ponte, ficava a bela e ensolarada área do reino. Do lado da ponte do Ogro, tudo era frio e sombrio.
 
Quando o ogro olhava para a ponte,  podia ver o lado ensolarado de tudo, mas ele nunca atravessava essa ponte. Era suficiente para ele contemplar as flores brotando à distância; as crianças nadando no lago em volta do castelo; e os amantes caminhando de mãos dadas, as mulheres em seus vestidos leves e coloridos, os homens com seus ternos de linho e chapéus. Ele, o Ogro, é claro, imaginava como seria passear com um ser amado como eles faziam, mas para fazer isso, teria que desistir do seu poder e seu poder era a coisa que o Ogro mais gostava. Qualquer um que atravessasse a ponte era morto e devorado pelo Ogro. Era isso, pelo menos, o senso comum no reino, passado de pai para filho, de mãe para filha. O ogro deliciava-se com o fato de ser tão temido pelo povo do reino, por poder exercer tanto poder, mesmo de longe.

A Princesa do reino era uma pessoa muito curiosa, como o são a maioria das pessoas inteligentes, e não estava contente com o fato de que, apesar de o reino ser quente e ensolarado, a área controlada pelo ogro era escura, fria e sombria. Além disso, enquanto o Ogro tinha uma linda ensolarada e verde paisagem para contemplar, quando os habitantes do reino olhavam além da ponte tudo o que viam era a escuridão que havia nesse lado. A Princesa não estava nada feliz com isso e ponderou que, como uma princesa, era seu dever tentar negociar com o Ogro. 

Ela começou a ir a ponte todos os dias. Sentava-se lá com um livro o dia inteiro. Como ficava do outro lado da ponte, o Ogro não fazia nada. Ele até gostava de observá-la. Depois de, mais ou menos, um mês, o Ogro começou a sair da caverna. A princesa ficou impressionada com o quão não feio era esse ogro.  Até tinha olhos bonitos e bondosos. Ela não encarava seu olhar diretamente, é claro. Havia aquela reputação de devorar pessoas vivas e isso, por si só, já mantinha mesmo a mais corajosa das princesas em algum estado de alerta. Ela também podia sentir uma sombra escura que, por vezes, encobria o olhar do Ogro. Mesmo assim, gostava do modo que ele olhava para ela.

A Princesa ainda considerava sua obrigação para com o povo do reino tentar alcançar um acordo com o Ogro, então ela continuava indo à ponte, dia após dia. Ttrazia um livro e um lanche e passava parte do lanche ao outro lado da ponte. O Ogro, agora, sentava-se ao lado dela, mas ainda do lado dele da ponte, e ouvia as histórias que ela lia em voz alta. Sentavam-se assim todos os dias, separados apenas por uma linha imaginária que dividia a ponte exatamente ao meio. Não foi muito depois de esse ritual se estabelecer que o Ogro e a Princesa começaram a trocar opiniões sobre os livros e sobre a vida. 

A Princesa, então, parecia não mais lembrar o motivo pelo qual tinha começado a vir à ponte. Tudo o que pensava era sobre o tempo que passaria com o Ogro, sobre o que eles conversariam. O Ogro realmente parecia apreciar as histórias que ela lhe trazia e a companhia que nela encontrava. Isso trouxe à princesa uma felicidade nunca antes sentida. O Ogro olhava para ela com olhos bondosos e ela esqueceu das sombras que um dia viu em seu olhar. Um dia, admitiu ao Ogro que havia se apaixonado por ele e sugeriu que era hora de ela cruzar a ponte. O Ogro aconselhou-a a não fazê-lo, mas a Princesa acreditava que a vida não tinha sentido se vivida pela metade. Ela decidiu atravessar a ponte de qualquer jeito. Agora admitia que há muito sonhava em beijar o não tão feio Ogro de lindos olhos. Ela veio à ponte em uma manhã de domingo. Usava um vestido de seda azul e branco. Um vestido que o Ogro, um dia, havia dito lhe fazia ainda mais bonita. O Ogro estava em pé no seu lado da ponte quando ela caminhou decididamente e atravessou o limite. A princesa lhe deu o mais apaixonado dos beijos que jamais existiu e, depois disso, nunca, jamais, foi vista novamente.


Comments

Popular posts from this blog

Maio, 2017 - Fim de tarde em Brasília

Um burburinho de barzinho no fim de tarde. Tudo parece igual. Amigos se encontram no Café, grupos ocupam as mesas maiores. Adoram sentar-se ao lado de quem lê um livro, de quem está só. Desconfiam dessa solidão e afrontam-na.Alguém solta uma gargalhada alta.Tudo normal, tudo como antes.
A música contorna as conversas e risadas: “Cai o rei de espadas, cai o rei de ouro, cai o rei de paus, cai não fica nada…” Nada é, na verdade, como antes, como o dia de ontem. Hoje, o ar que se respira é grosso, agressivo e sufocante. Nada, abaixo da epiderme do mundo está igual. A brisa leve não engana. Refresca o corpo, mas a alma treme.
Agora, toca Roda-Viva. “Como pode? Ontem mesmo era ano 2000.” Quando o golpe se deu e as ideias estapafúrdias começaram a surgir com projetos que tinham o nome de músicas da minha infância, regravações dos anos 80 começaram a entupir os programas de rádio. Hoje, Elis e Chico ressurgem nesse Café, fazendo o sentido que já não faziam há tantos anos. Apertam o meu pe…

Recém casados

Recém-casados, um apartamento de dois quartos para um casal. Parecia muito, a princípio, um privilégio. Não tinham filhos. Tem gente que mora em um quarto e sala com oito meninos. Dormem uns por cima dos outros, amontoados, redes por cima de redes. Eles tinham um escritório. Olha o luxo! E uma cozinha americana!

O problema é que para onde ela se virava, lá estava ele, um sorriso nos lábios e aquele olhar tranquilo. E tudo que ela pensava era: "Meu Deus, agora para onde eu me virar vou dar de cara com ele? Ganhei essa sombra! Aff!" Disfarçava, sorria de volta, um sorriso daqueles que não mostram os dentes, só empurram as bochechas para os lados. Até que acordou um dia e foi escovar os dentes, a pasta de dentes apertada no meio.  Deu um grito. Ele correu para a porta solícito. Era demais! O rosto queimando, berrou: "Olha, assim não dá! Eu preciso do meu espaço!" 
Saiu marchando, bateu a porta, andou uns 20 minutos em volta do quarteirão. Quando a respiração voltava ao…

Lembranças, mudanças e rumos

Uma amiga me diz que nos anos setenta, houve uma infestação de ratos em Brasília e que eles saiam pelo ralo do bidê  e entravam nos apartamentos da Asa Norte. Ela pergunta se eu não me lembro. Não lembro. "Mesmo? Não lembra?" Não lembro.

Não lembro da infestação, não lembro de comentários, notícias. Respondo que era muito pequena, mas ela é mais nova que eu. Sorrio sem graça, sem mostrar os dentes: "É, não lembro." O que lembro é de sempre ter tido medo de ratos, mais do que de baratas. E de sempre sonhar com eles em tempos de angústia, preocupação. Uma vez vi um video de um churrasco na casa dos meus país em que tento alertar minha mãe da passagem de um rato e ela me ignora. De certo não queria chamar a atenção dos convidados para a presença do animal asqueroso que corria no canto da cerca. Não queria interromper sua cantoria e seu ensolarado dia de domingo e, por isso, ignorou completamente a fala da criança inconveniente.

Uma amiga me contou também  que já se ol…