Skip to main content

A Princesa e O Ogro


Era uma vez, há muito tempo, um reino que era sempre quente e ensolarado. Nesse reino, vivia uma princesa que não era apenas bonita, mas também muito inteligente. No mesmo reino, vivia um ogro. Ele morava, como muitos outros ogros, trolls e outras estranhas criaturas de contos de fadas, em uma caverna. Da sua caverna, ele vigiava uma ponte. De um lado da ponte, ficava a bela e ensolarada área do reino. Do lado da ponte do Ogro, tudo era frio e sombrio.
 
Quando o ogro olhava para a ponte,  podia ver o lado ensolarado de tudo, mas ele nunca atravessava essa ponte. Era suficiente para ele contemplar as flores brotando à distância; as crianças nadando no lago em volta do castelo; e os amantes caminhando de mãos dadas, as mulheres em seus vestidos leves e coloridos, os homens com seus ternos de linho e chapéus. Ele, o Ogro, é claro, imaginava como seria passear com um ser amado como eles faziam, mas para fazer isso, teria que desistir do seu poder e seu poder era a coisa que o Ogro mais gostava. Qualquer um que atravessasse a ponte era morto e devorado pelo Ogro. Era isso, pelo menos, o senso comum no reino, passado de pai para filho, de mãe para filha. O ogro deliciava-se com o fato de ser tão temido pelo povo do reino, por poder exercer tanto poder, mesmo de longe.

A Princesa do reino era uma pessoa muito curiosa, como o são a maioria das pessoas inteligentes, e não estava contente com o fato de que, apesar de o reino ser quente e ensolarado, a área controlada pelo ogro era escura, fria e sombria. Além disso, enquanto o Ogro tinha uma linda ensolarada e verde paisagem para contemplar, quando os habitantes do reino olhavam além da ponte tudo o que viam era a escuridão que havia nesse lado. A Princesa não estava nada feliz com isso e ponderou que, como uma princesa, era seu dever tentar negociar com o Ogro. 

Ela começou a ir a ponte todos os dias. Sentava-se lá com um livro o dia inteiro. Como ficava do outro lado da ponte, o Ogro não fazia nada. Ele até gostava de observá-la. Depois de, mais ou menos, um mês, o Ogro começou a sair da caverna. A princesa ficou impressionada com o quão não feio era esse ogro.  Até tinha olhos bonitos e bondosos. Ela não encarava seu olhar diretamente, é claro. Havia aquela reputação de devorar pessoas vivas e isso, por si só, já mantinha mesmo a mais corajosa das princesas em algum estado de alerta. Ela também podia sentir uma sombra escura que, por vezes, encobria o olhar do Ogro. Mesmo assim, gostava do modo que ele olhava para ela.

A Princesa ainda considerava sua obrigação para com o povo do reino tentar alcançar um acordo com o Ogro, então ela continuava indo à ponte, dia após dia. Ttrazia um livro e um lanche e passava parte do lanche ao outro lado da ponte. O Ogro, agora, sentava-se ao lado dela, mas ainda do lado dele da ponte, e ouvia as histórias que ela lia em voz alta. Sentavam-se assim todos os dias, separados apenas por uma linha imaginária que dividia a ponte exatamente ao meio. Não foi muito depois de esse ritual se estabelecer que o Ogro e a Princesa começaram a trocar opiniões sobre os livros e sobre a vida. 

A Princesa, então, parecia não mais lembrar o motivo pelo qual tinha começado a vir à ponte. Tudo o que pensava era sobre o tempo que passaria com o Ogro, sobre o que eles conversariam. O Ogro realmente parecia apreciar as histórias que ela lhe trazia e a companhia que nela encontrava. Isso trouxe à princesa uma felicidade nunca antes sentida. O Ogro olhava para ela com olhos bondosos e ela esqueceu das sombras que um dia viu em seu olhar. Um dia, admitiu ao Ogro que havia se apaixonado por ele e sugeriu que era hora de ela cruzar a ponte. O Ogro aconselhou-a a não fazê-lo, mas a Princesa acreditava que a vida não tinha sentido se vivida pela metade. Ela decidiu atravessar a ponte de qualquer jeito. Agora admitia que há muito sonhava em beijar o não tão feio Ogro de lindos olhos. Ela veio à ponte em uma manhã de domingo. Usava um vestido de seda azul e branco. Um vestido que o Ogro, um dia, havia dito lhe fazia ainda mais bonita. O Ogro estava em pé no seu lado da ponte quando ela caminhou decididamente e atravessou o limite. A princesa lhe deu o mais apaixonado dos beijos que jamais existiu e, depois disso, nunca, jamais, foi vista novamente.


Comments

Popular posts from this blog

All the faces I've loved

All the faces of men I've loved visit me in the quiet night of my noisy brain All the ones I once loved and came to hate or forget or pretend to have forgotten Lost in the cloud of indifference  I've carefully created
All of them come back  filling the emptiness  of my broken beaten banal heart In this quiet night of my crowded noisy brain
They march firmly towards me
stop and stare Inches away and shoot their questions right between my shortsighted eyes Why? Why not? How much? How little?
They give me no time to answer
They move and vanish like ghosts of the Christmas past Some fierce and revengeful  pass on the judgement they've held in long
You! They shout Too bold! Too coward! Too hot! Too cold! Too little! Too much!
I try to touch a face or another
I remember them Especially the ones I've hidden so well from myself "Hey, look at you!

Quando

Quando se é a sombra de uma estrela esparramada sobre o mapa-múndi, cruzando terra e água, longe e perto de sua própria constelação. Quando se está aqui e lá, quando se tem tudo e sempre se quer mais. Quando vão-se os anéis e ficam os dedos e é possível ser "um sem deixar de ser plural". Quando se "vê a linha fina que separa aqui e ali" e, ao vê-la, não se contenta enquanto não a cruza. Quando se quer estar lá e cá e se quer amar, amar, amar.



Menino Guerrilheiro

Arrumando o pequeno escritório, jogando coisas fora, abrindo espaço para iniciar a rotina de trabalho, encontrou os recortes de jornal: "Faleceu sábado de ataque cardíaco fulminante" dizia um deles. Os outros repetiam a história do ataque cardíaco, mas ela sabia, desde aquela época que essa não era a verdade. Líder estudantil do seu tempo foi  expulso da Universidade por ter opinião. Perseguido na cidade, viu roubarem os seus sonhos e resistiu. Seguiu para a Guerrilha do Araguaia, lá foi preso, torturado. Quando ela era criança, não se falava disso. Já adolescente, com a abertura, quando estudava história, ele era mencionado, junto a alguns outros amigos da família "Ele fez parte da Guerrilha. Foi preso, torturado. Até hoje passa por uns períodos de depressão." Nada mais. Toda uma geração traumatizada, não conseguiam muito falar do assunto. Tudo muito recente, talvez. O medo ainda uma sombra, logo ali, a espreitar. Ela imaginava um homem adulto, barbado, preso por…