Thursday, September 10, 2015

Tons Sobre Tons


Nasci branca, consta na certidão
Branca da cor do papel, um branco que não existe
Cruzando a invisível linha que restringe o mundo da amplidão
Tornei me escura, não mais triste

Andando na fina linha
Em tons diversos, negros e marrons
Devolvem-me, todavia, essa branca carne, que não mais é minha
Paleta que sou de tons sobre tons

Diverte-me, hoje, a fluidez das minhas cores
Que me atravesssam o mundo inteiro
Enganando maus e bons

Alenta-me dispensar o conforto da palidez
Passado pernicioso do alheio sofrimento
Há mais por onde caminho, acolhendo a mistura, esparramando altivez

No comments:

Post a Comment