Skip to main content

Mulher Trófeu

Gripada, entupida, o nariz ressecado ardia ao tentar respirar, ferido.  Lenço de papel por todo lado. Aquelas bolinhas amassadas. Tinha passado o dia de pijama, um robe de flanela por cima. Arrastava o cinto do robe aberto pelo chão. O celular já tinha tocado umas três vezes. Não quis atender. Primeiro, porque não tinha voz. Depois, porque não tinha o que dizer. E era ele, ela sabia. E ela tinha certeza que ia ouvir um sermão. 

Lembrava vagamente da besteira que tinha feito. Não queria saber os detalhes. Ele sabia que ela não queria ter ido. Festa de rico chato. Uma pista de dança enorme e uns gatos pingados dançando os mesmos movimentos ensaiados, com muito cuidado para não assanhar a chapinha, nem derreter o gel. "Gente errada com a conta corrente certa!" A turma era péssima, mas a bebida era farta. "Acho que nem eles se aguentam se não encherem a cara." Provou um drink azul. Rafael conversava com um cara de sorriso tão simétrico que era impossível que fosse real. "Aqui até os dentes são falsos", pensou.  

Enquanto Rafael conversava com o "garoto Cepacol", escolhendo palavras que ela nunca tinha escutado saírem da boca dele, ela tentava segurar um sorriso amarelo, acorrentada pelos dedos do rapaz entrelaçados aos seus. Por que se submetera?" Nem o vestido tinha sido escolha dela. "Quando tinha virado isso?" Uma mulher troféu!Um bibelô sorridente." O vestido bege fora entregue na casa dela com um cartão digitado sem assinatura, provavelmente ditado pelo telefone à vendedora: "Porque quero você, hoje, linda!" Ele estava era querendo enquadrá-la nessa turma amarela. Odiava bege! Odiava tons pastéis. Essas cores de quem já morreu e ainda não sabe. "Já estou aqui, o jeito é aguentar!" Com a mão livre pegou outro drinque, um alaranjado dessa vez, bebida da moda. 

O telefone tocou mais uma vez: "Não desiste mesmo, né? Quem visse de fora podia pensar que quer saber de mim, como estou, que se importa. Mas não, o que ele quer mesmo é me esculhambar! Atendo é porra!" Caminha arrastando os pés até a cozinha. Bebe um copo de água gelada. O frio da água, a água gelada. Já não aguentava mais a conversa entediante, olhava as estrelas, mantinha o sorriso: "É com certeza investimento lucrativo, blá blá blá, mas você precisa ter os contatos, blá blá blá, eu consigo pra você por que fui eu, blá blá blá, eu, eu, eu..." Ela lá sorrindo, já doíam as bochechas... sorrindo e bebendo todos os drinques que passavam. Até que em um desses blá blá blás, o gosto do último drinque subiu, voltou. Se desvencilhou dos dedos, das mãos, dos braços de Rafael e caminhou apressada para onde achava ter visto o banheiro. O jardim muito mais cheio de que quando haviam chegado, as pernas cambaleantes, o gosto amargo na boca. Acelerou o passo. Quando viu já pisava a superfície azul, iluminada. Afundou.  A água congelante da noite cobriu-lhe pernas, corpo ecabelos. Entrou pelas narinas, pela boca. Batendo pernas e braços em desespero, conseguiu subir. 

Quando emergiu, tossiu muito e alto. Recuperando a respiração percebeu que  inúmeros olhos miravam-na, com suas pálidas feições, suas roupas iguais, seus cabelos impecáveis. Não se mexiam, apenas olhavam. Explodiu em uma gargalhada alta, sonora e riu e riu e não parou mais de rir. Nem quando Rafael a tirou da piscina, cobrindo-a com seu paletó, nem assim, parou de rir. Foi gargalhando até o carro, ele mudo. E agora é isso, o resultado é  essa gripe do cão!  "Mas tudo bem! Valeu à pena!" O celular tocou mais uma vez, ela puxou o telefone do do  carregador , talvez com muita força,  porque arrancou aparelho, carregador e até o espelho da tomada veio junto. 

Com o aparelho na mão, caminhou até a varanda. "É isso, Rafael! Acabou! Suas arrogâncias não ouço mais!" Deixou o telefone cair ali do sexto andar.Segundos depois viu o aparelho espatifar-se. Virou-se de costas, caminhou lentamente. Catou um rolo de papel higiênico no caminho. Os lenços, já tinha usado todos, chutou algumas bolinhas de papel. Parou na porta do quarto e assoou o nariz sonoramente. Caminhou até a cama, jogou-se nela de bruços e caiu no sono. Dormiu feliz. 

Comments

Popular posts from this blog

All the faces I've loved

All the faces of men I've loved visit me in the quiet night of my noisy brain All the ones I once loved and came to hate or forget or pretend to have forgotten Lost in the cloud of indifference  I've carefully created
All of them come back  filling the emptiness  of my broken beaten banal heart In this quiet night of my crowded noisy brain
They march firmly towards me
stop and stare Inches away and shoot their questions right between my shortsighted eyes Why? Why not? How much? How little?
They give me no time to answer
They move and vanish like ghosts of the Christmas past Some fierce and revengeful  pass on the judgement they've held in long
You! They shout Too bold! Too coward! Too hot! Too cold! Too little! Too much!
I try to touch a face or another
I remember them Especially the ones I've hidden so well from myself "Hey, look at you!

Quando

Quando se é a sombra de uma estrela esparramada sobre o mapa-múndi, cruzando terra e água, longe e perto de sua própria constelação. Quando se está aqui e lá, quando se tem tudo e sempre se quer mais. Quando vão-se os anéis e ficam os dedos e é possível ser "um sem deixar de ser plural". Quando se "vê a linha fina que separa aqui e ali" e, ao vê-la, não se contenta enquanto não a cruza. Quando se quer estar lá e cá e se quer amar, amar, amar.



Menino Guerrilheiro

Arrumando o pequeno escritório, jogando coisas fora, abrindo espaço para iniciar a rotina de trabalho, encontrou os recortes de jornal: "Faleceu sábado de ataque cardíaco fulminante" dizia um deles. Os outros repetiam a história do ataque cardíaco, mas ela sabia, desde aquela época que essa não era a verdade. Líder estudantil do seu tempo foi  expulso da Universidade por ter opinião. Perseguido na cidade, viu roubarem os seus sonhos e resistiu. Seguiu para a Guerrilha do Araguaia, lá foi preso, torturado. Quando ela era criança, não se falava disso. Já adolescente, com a abertura, quando estudava história, ele era mencionado, junto a alguns outros amigos da família "Ele fez parte da Guerrilha. Foi preso, torturado. Até hoje passa por uns períodos de depressão." Nada mais. Toda uma geração traumatizada, não conseguiam muito falar do assunto. Tudo muito recente, talvez. O medo ainda uma sombra, logo ali, a espreitar. Ela imaginava um homem adulto, barbado, preso por…